Resenha - Eu sou Malala

sexta-feira, janeiro 27, 2017 0 Comentários A+ a-


Sinopse: O livro acompanha a infância da garota no Paquistão, os primeiros anos de vida escolar, as asperezas da vida numa região marcada pela desigualdade social, as belezas do deserto e as trevas da vida sob o Talibã. Escrito em parceria com a jornalista britânica Christina Lamb, este livro é uma janela para a singularidade poderosa de uma menina cheia de brio e talento, mas também para um universo religioso e cultural cheio de interdições e particularidades, muitas vezes incompreendido pelo Ocidente.
Sentar numa cadeira, ler meus livros rodeada pelos meus amigos é um direito meu, ela diz numa das últimas passagens do livro. A história de Malala renova a crença na capacidade de uma pessoa de inspirar e modificar o mundo.

Resenha
Eu Sou Malala - A história da garota que defendeu o Direito à educação e foi baleada pelo Talibã foi publicado em 2013 e foi escrito por Malala Yousafzai e Christina Lamb. Esse livro incrível conta a história de Malala e você já deve ter ouvido falar sobre ela, pois ela é apenas a pessoa mais jovem a receber o Prêmio Nobel da Paz!

Malala vivia no vale do Swat, no Paquistão e simplesmente amava aquele lugar. Seu pai era apaixonado por educação e abriu sua própria escola. Malala desde bebê estava na escola por conta disso, entrava engatinhando nas salas de aula e chamava a atenção de todos. Óbvio que ao atingir a idade para frequentar a escola, passou a ir a escola de seu pai. Ela era a melhor da sala, mas estava sempre competindo com uma colega pelo primeiro lugar. 

O pai de Malala sempre fazia discursos em prol da educação. Um dia, Malala viu duas crianças muito sujas e em situação terrível, em um terreno baldio, catando lixo. Aquele foi o estopim para que Malala entendesse de uma vez por todas que precisava levar educação a todas as crianças de seu vale. A partir daí, esse passou a ser o seu maior desejo e sua missão; de ajudar, de ver todas as crianças na escola... 

Infelizmente, essa missão de Malala se torna praticamente impossível quando o Talibã invade o vale do Swat. Eles proibiram as garotas de estudar e explodiram inúmeras escolas no Vale. Obviamente, o pai de Malala não ficava quieto, pois era um ativista que lutava pelos direitos políticos e educacionais, por conta disso, o pai de Malala recebeu muitas ameaças. Malala fazia discursos também, ela queria que as meninas pudessem ir à escola. Certo dia, quando Malala tinha 13 anos e estava voltando da escola, pois ela e várias colegas iam em segredo à escola, o ônibus foi parado e um talibã armado perguntou "Quem é Malala?", e lhe deu um tiro na testa.

Malala teve muita ajuda do governo nesse momento, após ser baleada foi encaminhada para um tratamento na Inglaterra, pois corria alto risco de pegar alguma infecção grave se recebesse o tratamento no Paquistão. Ao se recuperar, Malala conseguiu voltar a andar e falar, mas o lado esquerdo de seu rosto não funciona bem e ela perdeu a audição do ouvido esquerdo. Ainda assim, isso não pôde abalá-la e ela continua tentando cumprir sua missão.

Avaliei esse livro como excelente e favoritei porque Malala é simplesmente a voz de todas as meninas que não estão na escola... Ela também é a voz de toda criança que está fora da escola. Além disso, Malala é uma pessoa linda por dentro e por fora! Basta ler o livro dela e assistir ao filme "He Named Me Malala" e você verá que ela é uma pessoa normal, uma garota normal, mas que se destaca por seu enorme coração e por ter dado a si mesma uma das missões mais lindas do mundo, que é tentar levar educação ao maior número de crianças possível.

Assista ao vídeo abaixo e aposto que você irá se sentir enormemente motivado a conhecer mais sobre Malala!


O trailer do filme:

E você, conhece o trabalho de Malala? Já leu o livro? Viu o filme? Comenta aí!

Sara Muniz, dona do blog Interesses Sutis, sou apaixonada por ler, escrever e criar. Adoro música erudita, rock, pop, música francesa e de vez em quando até uma musiquinha indiana para dar uma animada! Preciso ver artes plásticas para me inspirar a escrever. Meus autores preferidos são Patrick Rothfuss, J.R.R. Tolkien, Brandon Sanderson, Jostein Gaarder e Khaled Hosseini (nessa ordem). Amo cantar e desenhar - mesmo fazendo ambas as coisas mal -, sou fissurada por cachorros e todos são "bebês fofinhos" para mim. Às vezes, eu acho o mundo lindo, outras vezes eu acho que a colisão de um meteóro com a Terra seria a salvação. Saiba mais sobre mim na página "About"!

"Comento, logo existo."