Resenha - Demian

quarta-feira, janeiro 04, 2017


Sinopse:  Emil Sinclair é um jovem atormentado pela falta de respostas às suas questões sobre o mundo. Ao conhecer Max Demian, um colega de classe precoce e carismático, Sinclair se rebela contra a convenções de seu tempo e embarca em uma jornada de descobertas. Publicado originalmente em 1919, considerado um divisor de águas na trajetória de Hermann Hesse, reflete os questionamentos do escritor alemão acerca da humanidade, com suas contradições e dualidades. Influenciado pelas ideias de Carl Jung, fundador da psicologia analítica, Hesse descreve o processo de busca do indivíduo pela realização interior e pelo autoconhecimento.

Resenha
Demian foi publicado pela primeira vez em 1919, pelo escritor alemão Hermann Hesse, e é um livro muito profundo em diversos sentidos. Eu particularmente adoro livros com uma carga (nem que seja escondida) de filosofia. Em Demian, acompanhamos Emil Sinclair, que começa a história ainda bem pequeno. Emil era uma criança muito certinha e sabia disso. Logo no começo, por não querer ser tão certinho, Emil mente para um amigo trombadinha que havia roubado uma maçã. A partir daí, o colega o ameaça todos os dias, ameaça denunciar Emil e para ele aquilo era o fim do mundo, com certeza. Um dos elementos mais característicos desse ponto no livro, é o assovio desse colega, que assoviava para avisar Sinclair de que estava ali esperando seu pagamento. Percebe-se então, a crítica ao ato de mentir e como uma criança tão pura teve de lidar com ameaças, sendo que ela só queria voltar a ter tudo correto em sua vida como era antes.

Não demora muito (afinal, é um livro curtinho) até que Sinclair conheça Max Demian, um personagem que eu considero genial. Demian é aquele tipo de pessoa tão inteligente e sagaz, que você sempre inveja e quer ser (eu sou a diva que você quer copiar -q). Sinclair admirava muito - de longe - como Demian era esperto e tinha muito mais atitude que ele para tudo na vida. Depois de vencer o medo de se aproximar de Demian, ambos finalmente viram amigos de verdade e Sinclair (e nós, leitores) aprendemos muito com Demian sobre algumas questões da vida.

Quando Emil cresce e tem que mudar de escola, Demian não vai com ele, mas nessa nova fase da vida de Emil, vamos acompanhar seu crescimento e as escolhas que ele faz. Como faz muito tempo que eu li e só agora estou escrevendo a resenha, tem um personagem que tocava órgão na igreja, mas não lembro ao certo agora se ele era um padre ou não, mas ele dava muitos conselhos à Sinclair e discutia com ele muitas questões sobre a vida e a filosofia.

Também acompanhamos os delírios e devaneios de Sinclair, principalmente quando ele vai pintar. São nesses momentos em que percebemos que a conexão de Sinclair e Demian é muito mais forte do que se pode imaginar. E isso se prova quando os dois se reencontram e Sinclair conhece melhor a mãe de Demian. 

"O pássaro sai do ovo, o ovo é o mundo. Para nascer, é preciso destruir um mundo. O pássaro voa para Deus. E o nome de Deus é Abraxas"

Antes de concluir, eu preciso falar sobre Abraxas. Abraxas é o Deus citado no livro como o verdadeiro Deus, e você (leitor) acaba por concordar plenamente. O Deus cristão que conhecemos julga as pessoas por seus pecados e pelas coisas que fazem de errado, mas muitas vezes nem tudo o que fazemos é tão errado assim a ponto de poder ser considerado um pecado, como o sexo antes do casamento, por exemplo. O Deus cristão julga o sexo antes do casamento como se fosse a maior atrocidade do mundo, quando o sexo é só mais uma coisa completamente natural entre qualquer ser vivo. Abraxas nada mais é do que deus e diabo ao mesmo tempo, pois ele não julga o que o Deus cristão julga, mas pode ser considerado "diabo" justamente por conta disso.

Abraxas.

Avaliei esse livro como excelente e favorito justamente por mexer com a minha mente do início ao fim. Ao iniciar a leitura eu já sabia que era um livro rico em filosofia. Os personagens são imensamente cativantes, tanto Sinclair quanto Demian. No meio da leitura, pode-se esperar aqueles típicos nós na cabeça, e também pode ter certeza de que seu queixo irá cair inúmeras vezes conforme você vai avançando a leitura. Eu poderia avaliar com mais propriedade se tivesse lido recentemente, mas com certeza reler Demian está nos meus planos! Se você gosta de livros do estilo O Mundo de Sofia (clique para ler a resenha), você irá gostar muito de Demian!

E você, já leu Demian ou algo do Hermann Hesse? Gostou? Comenta aí!

Você também poderá gostar de

0 comentários

"Comento, logo existo."