Resenha - O Nome do Vento

sexta-feira, janeiro 02, 2015


Título: O Nome do Vento - A Crônica do Matador do Rei: Primeiro Dia.
Autor: Patrick Rothfuss ❤
Editora: Arqueiro
Nº de páginas: 656
No Skoob: Clique Aqui
Comprar: Clique Aqui (Compre, vale a pena!)



Sinopse:
Ninguém sabe ao certo quem é o herói ou o vilão desse fascinante universo criado por Patrick Rothfuss. Na realidade, essas duas figuras se concentram em Kote, um homem enigmático que se esconde sob a identidade de proprietário da hospedaria Marco do Percurso.
Pouco a pouco, a história de Kote vai sendo revelada, assim como sua multifacetada personalidade - notório mago, esmerado ladrão, amante viril, herói salvador, músico magistral, assassino infame.
Nesta provocante narrativa, o leitor é transportado para um mundo fantástico, repleto de mitos e seres fabulosos, heróis e vilões, ladrões e trovadores, amor e ódio, paixão e vingança.

Resenha
Meu namorado pegou esse livro emprestado de um amigo, e depois que leu e me recomendou muito, resolveu me emprestar. Ele me desafiou a ler em uma semana, mas eu não consegui. Eu terminei o livro em uma onzena (que equivale a uma semana - que tem 11 dias - no livro).

O Nome do Vento é narrado por Kvothe (o protagonista), mesmo dentre interlúdios onde ele não narra. Esse é o primeiro dia da Crônica do Matador do Rei. Não entendeu nada? Relaaaaaaxa! 
É o seguinte: Kvothe é um homem de trinta e poucos anos e dono de uma hospedaria chamada Marco do Percurso. Ele é mestre do Bast, um cara bonito que pega todas as garotas solteiras e virgens da cidade e que demonstra sua outra face mais tarde. Certo dia, Kvothe encontra um cronista na floresta, e o que os cronistas fazem? Vão atrás de pessoas para pedir que elas contem suas histórias de vida para que ele publique depois. E depois de muita insistência, o cronista consegue convencer o Kvothe de contar a sua história. Kvothe, então, diz que vai precisar de três dias para contar tudo o que aconteceu em sua vida. Sendo assim, cada livro é um dia. O Nome do Vento é o primeiro dia em que ele está contando a história, O Temor do Sábio é o segundo dia e o terceiro livro (ainda sem título, ninguém sabe nada sobre ele) será contado no terceiro e último dia.

Retomando, Kvothe conta a história da vida dele. Começa quando era criança e fazia parte dos Edena Ruh, que são tipo pessoas de circo que vivem viajando. Eles apresentavam peças de teatro e o pai de Kvothe tocava alaúde para o público. Kvothe aprendia muitas coisas com um homem que viajava com o seu grupo: Ben. Ele ensinou a ele tudo o que aprendera na Universidade o pouco tempo que passou lá. Depois acontece uma tragédia (não é difícil de imaginar o que acontece) e Kvothe se vê como uma criança de rua. Vai para uma cidade grande carregando a coisa que mais lhe tinha valor: o alaúde de seu pai. Não demora muito até tentarem assaltá-lo e ele vive 3 anos como uma criança de rua andando descalço todos os dias. Quando completa 15 anos, vende seu livro Retórica e Lógica que ganhou de Ben e consegue com isso dinheiro suficiente para viajar até a Universidade.

Durante o livro todo você se preocupa com o dinheiro de Kvothe. Ele sempre conta como seu dinheiro é escasso, quando ele tem somente alguns vinténs você fica angustiado. Quando ele diz que tem talentos de prata você fica radiante por ele ter dinheiro de verdade do bolso, mas toda vez que ele compra algo ou é obrigado a gastar seu dinheiro você já fica apreensivo e com medo de que ele tenha que voltar a mendigar.

Vou parar por aqui para a resenha não ficar enorme e para não soltar spoilers, pois vocês precisam conhecer a história de Kvothe por si mesmos.


✖ Avaliação da Escrita: A escrita de Patrick Rothfuss é ótima. Encontrei vários erros no livro, como falta de palavras e complementos que passaram despercebidos pela revisão. Mas, se eles não tiverem mudado muito a escrita dele para a tradução, eu gostei bastante, sem problemas. É muito fácil de ler, mas sempre com uma pitada de formalidade para não ser uma escrita como de livros adolescentes (vulgo livros de John Green e David Levithan).

✖ Avaliação do Enredo: O enredo é I-N-C-R-Í-V-E-L! Ele criou um personagem maravilhoso, que sofre muito com a vida, mas que mesmo assim não desiste de mostrar do que ele é capaz ao mundo. Ele tem muitas aventuras, muitas coisas loucas acontecem na vida do Kvothe e você acompanha tudo de perto pensando "eu quero que ele tenha dinheiro, eu quero que ele fique com a mulher que ele ama, eu quero que ele se vingue, eu quero que ele encontre o Chandriano", você fica basicamente querendo tudo o que o personagem faz com calma e sem muita preocupação, você acaba ficando mais envolvido e preocupado que o próprio Kvothe, haha.

✖ Avaliação da Capa: Quando vi esse livro pela primeira vez, gostei bastante da capa. Por mais que não tenha um diferencial muito grande, ela é única, é uma arte feita especialmente para representar nosso querido Kvothe, a Universidade, a ponte e Imre. É linda, assim como a capa de O Temor do Sábio e do livro da Auri.

✖ Sobre o Protagonista: O que dizer deste Kvothe que conheço pouco, mas já considero pakas? Gente, o Kvothe é um personagem muito bem construído, com uma personalidade única e você se afoga nessa personalidade dele, mesmo ele não sendo bondoso demais ou triste e bravo demais. A personalidade dele não tem nada disso, é uma personalidade normal e você acaba de apegando a ele mesmo assim. Ele é gentil, inteligente, ruivo, tem olhos verdes que mudam de intensidade de acordo com o seu humor, ele é engraçado, é valente, é normal, mas sempre sendo ele mesmo, e ele mesmo é maravilhoso!

✖ O que me levou a avaliá-lo como excelente?
Tudo, não há palavras para descrever o quão excelente é. Depois que você lê O Nome do Vento, você ainda não se vê saciado pela história, você vê uma necessidade enorme de ler O Temor do Sábio, e com certeza se você terminar logo vai ficar almejando o terceiro volume desesperadamente, vai querer ler A Música do Silêncio, que conta a história da Auri e vai querer ler tudo sobre esse mundo que Patrick Rothfuss criou.

✖ Considerações finais: Gostei de vários personagens além do protagonista. Gostei MUITO do Elodin, um professor louco da Universidade que faz coisas muito engraçadas que faz você gargalhar. Por exemplo, durante uma reunião ele começa a gargalhar do nada e caçoar do evento! Gostei do Simmon e do Willem, os melhores amigos do Kvothe. Adorei a Auri, uma louca da Universidade que vive nos boeiros. Gostei muito do cronista e do Bast também. Assim como Kvothe, passei a querer muito que ele fosse como O Grande Taborlin e soubesse o Nome de todas as coisas. AMEI o livro, sem mais considerações, haha. Mas, Patrick Rothfuss com certeza se tornou um dos meus escritores favoritos.

As continuações
Agora, os livros que me restam ler do Patrick Rothfuss enquanto o terceiro livro não sai, é O Temor do Sábio, que é a continuação, o segundo dia, que tem uma capa linda e meu namorado já leu e disse que vai me dar de aniversário *-*


E também, A Música do Silêncio, que não é a continuação da trilogia A Crônica do Matador do Rei, mas conta a história de Auri, uma aluna da Universidade que ficou louca e passou a viver como mendiga no subterrâneo e cria uma amizade sincera e atenciosa com o Kvothe. O livro é bem curto, tem somente 144 páginas.

E você, já leu O Nome do Vento? Se não leu, ficou com vontade de ler? Quais são as suas expectativas quanto ao livro? O que acha desse gênero? Comenta aí!


/Beijocas da Saroca

Você também poderá gostar de

9 comentários

  1. Adorei sua resenha! Eu ganhei do meu ex-namorado no ano retrasado (falando assim que eu fui me dar conta de quanto tempo faz :o) e comecei a ler logo que ganhei, mas tive que interromper a leitura por causa dos estudos e agora estou voltando com livros menores.

    Sua resenha soou como um tapa na minha cara, algo como quem diz "larga Insurgente e volta pr'O Nome do Vento, menina!" hahaha

    Beijos,
    Elieny Brandão.
    rilassare la mente

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. USUHASHUASHU... Sim, volta pro Nome do Vento!

      Excluir
  2. Eu nunca li o livro Saroca, mas confesso que esse tipo de narrativa costuma sempre me agradar, embora o número de páginas me desencoraje um pouco. Boa resenha!

    PS: Que layout lindo!

    http://estantesuja.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O número de páginas do segundo dia te desencorajaria! São 900 e poucas páginas o segundo livro KKKK... Obrigada! *--*

      Excluir
  3. Você não imagina o estado em que eu fiquei quando li este seu post: quase chorei! O Nome do Vento é o meu livro favorito e sempre que sei que o livro é recomendado e resenhado já fico emocionada, mas se a resenha é positiva, ainda me identifico mais com o que leio. Aliás, acho que todas as resenhas que li até agora sobre o nome do vento foram positivas, algumas dizendo que o livro era agradável e tal, mas a maioria dizendo que ele é maravilhoso. Eu leio bastante fantasia - exceto livros sobre vampiros e tal - e portanto conheço o género, mas o autor conseguiu pegar em clichés e transformá-los completamente. Além disso, o Kvothe é a personagem mais cativante que eu alguma vez, e diria que foi graças a ele e à sua maneira belíssima de ver o mundo que uma história sem um objetivo definido acabou por ser tão interessante. Já li o segundo volume, e embora o Kvothe cresça em todos os sentidos, diria que lhe fez bem. Só espero que traduzam o livro sobre a Auri para Portugal, ainda não vi nem sinais disso, mas espero que não demorem.

    Jaa!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Awwnnn, sim! Acho que é IMPOSSÍVEL não amar o livro, não amar as criações do autor, não amar o Kvothe! Vish... Aqui o livro da Auri vai chegar às livrarias só 10 de janeiro (já fui atrás HUSHUASHSU), mas na internet já tem pra vender... Se você não aguentar esperar, compra em PT-BR mesmo D: kkkk

      Beijos!

      Excluir
  4. Eu realmente NECESSITO ler esses livros!!! Já vi diversas pessoas sempre elogiarem essas obras...Tenho que adquiri-los o mais rápido possível. E sua resenha me instigou mais!
    Sucesso =D.
    www.chamandoumleitor.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Leia, sim! É muito bom, você não vai se arrepender!

      Excluir
  5. Ótima resenha. O tio Pat é meu autor favorito. Choro cada dia que o último livro não sai.

    ResponderExcluir

"Comento, logo existo."